como deveria ser

FullSizeRender (17)

Sabe quando o vento bate na sua porta?

Entra  por aquela janela?

Passa, rápido, e bagunça seus cabelos?

Ou ainda, passa devagar, fazendo com que cada parte do seu corpo se arrepie pela sensação que ele provoca?

Sabe quando aquele sol, entra no seu quarto, fazendo tudo parecer mais vivo?

Passa nas letras do livro que está na sua mão, e as letras parecem dançar, pela luz que as atinge?

Quando o sol, no frio, pousa na sua pele, e aquela sensação gélida, é amenizada, delicadamente?

Ou ainda, quando o mesmo sol está la fora, naquele dia que te prende em casa?

Sabe quando a chuva te chama para dançar com seus pingos?

Quando essa chuva, entra pela janela do carro, e faz arrepiar a pele? Ou estragar o cabelo?

Faz você ligar a televisão, e colocar naquele filme, que tanto esperou para ver?

Naquela série, que não havia tempo para terminar?

Ou, ainda, quando essa chuva, parece curar?

É tudo tão bom, tão aliviador, mesmo que nada esteja certo,  em algum momento, aparenta estar.

Cada sensação, te faz esquecer a melancolia, te faz focar naquela energia.

Cada sensação te faz acompanhar o ritmo que teu coração toca, esquecendo os batimentos e tentando encaixar uma melodia.

Cada sensação, libertadora que te enche, que preenche, que te deixa tomado por uma alegria.

Ela veio até mim  (sim, sempre ela) e disse para deixar a janela aberta, deixar que o vento chegue, abrir a cortina, para o sol ou a chuva, entrar.

Ela contou que uma vez se perdeu, em Paris. Contou que o desespero a tomou, mas quem me dera, perder-me, em Paris?

Ela contou que aquelas ruas não acabavam, o celular estava sem bateria e nem o endereço, ela sabia. Então, quando encarou o céu, ele a encarava de volta. O sol caia em seus cabelos, em seus olhos, e ao redor, a cidade, sem desespero, era tão magnifica.

Haviam árvores, arbustos, bancos com pessoas sorridentes; havia uma grama esplendidamente verde, e um ar, que somente quem parava para apreciar,, conseguiria respirar.

Ela contou que tudo, absolutamente tudo, quando apreciado, é muito melhor, mesmo quando a situação não colabora.

Então hoje, decidi abrir a janela. Mantive a cortina fechada, mas o sol chegou mesmo assim. Mantive os olho abertos, e mesmo sem conseguir compreender e com tudo girando, foi magnifico, assim como ela me ensinara que deveria ser.

Leave A Response

* Denotes Required Field